Quem sou eu

Minha foto
Aparecida de Goiânia, Goiás, Brazil
Escritor, poeta, membro da ACADEMIA APARECIDENSE DE LETRAS e UNIÃO BRASILEIRA DE ESCRITORES EM GOIÁS.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

AS MULHERES E O DESEJO

Novos estudos mostram que nem elas mesmas entendem o que desperta o prazer feminino.


“Ida Bauer aparece nos textos de Sigmund Freud, o pai da psicanálise, sob o nome fictício de Dora. É uma moça bonita, de 15 anos, perturbada por tosses nervosas e incapacidade ocasional de falar. Chegou ao divã do médico vienense queixando-se de duas coisas: assédio sexual de um amigo da família e indisposição do pai em protegê-la. Freud aceitou os fatos, mas desenvolveu uma interpretação própria sobre eles. O nervosismo e as doenças se explicavam porque a moça se sentia sexualmente atraída pelo molestador, mas reprimia a sensação prazerosa e a transformava, histericamente, em incômodo físico. Como Ida se recusou a aceitar essa versão sobre seus sentimentos, largou o tratamento.
Peter Kremer, biógrafo de Freud, diz que os sintomas só diminuíram quando ela enfrentou o pai e o molestador, tempos depois. Freud estava errado; ela, certa. Anos mais tarde, refletindo sobre a experiência, Freud escreveu uma passagem famosa: “A grande questão que nunca foi respondida, e que eu ainda não fui capaz de responder, apesar de 30 anos de pesquisa sobre a alma feminina, é: o que querem as mulheres?”.
Meredith Chivers, uma jovem pesquisadora da Universidade Queen, no Canadá, acredita que pode finalmente responder à pergunta. Sem os preconceitos e a ortodoxia de Freud, e com recursos experimentais que ele não tinha, reuniu 47 mulheres e 44 homens em laboratório e aplicou o mesmo teste a todos eles. [...] Os resultados foram sensacionais.[...] A outra surpresa da pesquisa de Meredith, talvez sua descoberta mais importante, foi a constatação de que existe uma distância entre o que as mulheres manifestam fisicamente e o que elas declaram sentir.
[...]
Se for excluída a hipótese de que as mulheres mentem a respeito de seus sentimentos (por que fariam isso em laboratório, protegidas pelo anonimato?), estamos de volta à perplexidade registrada por Freud no texto de 1900, com um sério agravante: não é apenas um homem que não entende as mulheres, mas elas mesmas que não sabem o que sentem.”
(Matéria de capa da Revista Época, nº 559, de 02/02/2009)
..........................................................

O universo feminino é tema que fascina e sempre fascinou os poetas de todos os tempos. É um encanto-desafio que permeia o corpoalma das fêmeas e, o que emana desse mistério, provoca um redemoinho inexplicável no epicentro dos seres humanos dotados de pinto. Isto mesmo, quando o assunto é desejo, o pinto - friamente chamado de pênis nos livros científicos e consultórios médicos - é o símbolo máximo da representação do universo masculino. Desejo na sua forma mais objetiva possível. Por isso excluo dessa abordagem as outras mil e trocentas facetas que constroem a relação homem-mulher.
Estou falando do desejo-magia que provoca taquicardia, respiração alterada, fluxo sanguíneo direcionado, relâmpagos riscando o céu da mente e faíscas outras, tudo ao mesmo tempo, enquanto o famigerado “Superego” nos amarra ao mastro do navio, assim como fizeram os guerreiros de Ulisses, por sua ordem, para que resistisse o canto das sereias. Ufa!
Mesmo assim, nós homens somos mais simples que as mulheres. É mais fácil nos entender, não obstante o pêndulo indomável parecer ter vontade própria. Rs*. Já o Software daquelas que Freud referiu como “seres castrados” é um Obscuro Continente e faz parte do maravilhoso e enigmático hemisfério da poesia. Maktub.



OBSCURO CONTINENTE
O que quer uma mulher?
Sigmund Freud
.

Alma de mulher,
Imenso e vário este universo
De labirintos onde
Trafegam perguntas sem respostas.
Onde dormitará o ninho
Dos inconfessos desejos e o esconderijo
Dos temores ginofensivos?

Quisera eu desbravar,
Impunemente, os meandros
Desse obscuro continente e
Dissecar os signos envoltos
Nas sedosas madeixas,
Até compreender
A uterina semântica dos poemas
Escritos a batom.

Preferível caminhar devagar
No reino lingeries.
Tola pretensão tentar abrir
A força o tenro botão da flor.
Só a ternura vence o poder
Das pétalas.

Coração de mulher
Tem muito de fruta:
Sabor e semente na polpa madura.
Prudência provar aos poucos,
Gomo a gomo,
Com ciência de quem ama
O sabor dos alvéolos
Mitificados.

“O que quer uma mulher?”
Quem te falo
Que se cale.
Pelo sim, pelo não
Aberta fica
a questão.

(Sob o Signo de Eros, p. 15)

2 comentários:

  1. José Donizete Fraga14 de fevereiro de 2009 22:11

    Grande Almáquio! Essa do pêndulo indomável foi do catano, hein? Bem sei que a gênese da tua poesia cavuca funduras inacessíveis a nós mortais...

    Abraço do amigo

    Donizete Fraga

    ResponderExcluir
  2. Mestre do poema, mexeu com coisa complicada, hein? Mulher, adjuntora do homem tão misteriosa que nós não sabemos se podemos buscar ajuda nela. E por onde começar? Mas, quero uma, esse desafio me agrada! É isso amigo!!

    ResponderExcluir