Quem sou eu

Minha foto
Aparecida de Goiânia, Goiás, Brazil
Escritor, poeta, membro da ACADEMIA APARECIDENSE DE LETRAS e UNIÃO BRASILEIRA DE ESCRITORES EM GOIÁS.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

POESIA DE ALCOVA



O que é o silêncio
Senão o ecoar do surdo fremir
De asas da borboleta
Que decola após sugar suavemente a seiva
Na vulva da flor?

O que é o desejo
Senão a minha certeza
do roçar de asas da borboleta
que adorna o seu jardim secreto no vértice entre coxas?

O que é a poesia
Senão a lírica angústia
Deste poeta de alcova
Que se ocupa com a saudade do que não viveu?

05/08/2010 – 21h57m  

4 comentários:

  1. Poeta

    E porque não viveu? Se amedrontou com alguma coisa menos boa?

    Gostei de o encontrar e do que escreveu!

    Mª. luísa

    ResponderExcluir
  2. Que merda de cotidiano é esse que impede que confrades,como tu, escreva esse tipo de coisa e não o envie para eu apreciar? Adoro uma taça de bom vinho regado à poesia almaquiana. Saúde, irmão! E vida longa à tua poesia.

    ResponderExcluir
  3. É por essa e outras que sou sua fã de carteirinha. Saudade do que não viveu?
    Caro poeta, até no que não se deu, suas sugestões são insinuantes.

    ResponderExcluir
  4. Maria Luisa, Claudio e Luciana, agradeço os comentários elogiosos. Esse feedback é poderoso combustível que me leva e eleva ao desejo incontido, encontrável, somente, no universo alquimista da poesia.

    ResponderExcluir